L-ornitina em marcadores de estresse e qualidade do sono

O sono é afetado por muitos fatores psicossociais, estresse e rotina diária. É considerado um importante mediador da saúde através do sistema nervoso autônomo, do sistema imune e da função endócrina. O sono e a fadiga geralmente se correlacionam e, uma duração de sono reduzida envolve um acúmulo gradual de sono/fadiga. A fadiga é um conceito multidimensional complexo que envolve aspectos físicos e psicossociais. A fadiga psicossocial é intimamente associada ao estresse.
Recentemente foi demonstrado que a administração oral de L-ornitina reduz a barreira da ativação induzida pelo estresse do eixo hipotalâmico em ratos acompanhados pela redução na concentração de corticoesterona, através da mediação via GABA. Esses achados especulam que a L-ornitina possa ter um papel crucial no sistema nervoso central, aliviar o estresse e melhorar o sono e os sintomas de fadiga em humanos. Além disso, a administração de L-ornitina tem mostrado melhorar a detoxificação de amônia pelo fígado.
Um metabólito da serotonina (neurotransmissor do bem-estar) é induzido após a suplementação com L-ornitina. Os níveis durante o dia de serotonina estimulam a produção de melatonina (homrônio do sono) durante a noite e, portanto, ela pode ser considerada um importante nutriente para manter o ritmo circadiano e permitir uma boa noite de sono.
Referências

MIYAKE, M. et al. Randomised controlled trial of the effects of L-ornithine on stress markers and sleep quality in healthy workers, Nutrition Journal, v.13, n.53, 2014.

+ Ciencia e Vida