fbpx Distúrbios | Clínica do Sono

Distúrbios

Ronco e Apneia

O ronco surge quando o tono dos músculos da garganta se reduz, levando progressivamente ao contato das paredes que gera vibração e o ruído característico. Apneia (ausência de respiração) é a interrupção da respiração por mais de 10 segundos. Durante o sono, um pequeno número de apnéias, geralmente de 7 a 20 por noite, pode aparecer em pessoas normais. O risco de morrer durante uma única apneia é ínfimo, pois, após 20 ou 30 segundos ocorre o despertar e a respiração retorna. Quando ocorrem mais de cinco apneias por hora já temos uma doença leve. Com mais de 30 apneias por hora o caso é considerado grave. Os malefícios da doença decorrem da soma de apneias ao longo de anos pelas repetidas quedas de oxigênio que levam a geração de radicais livres, estresse oxidativo e inflamação crônica.

Insônia

Insônia pode ser tanto a dificuldade de iniciar como de manter o sono ou mesmo a percepção de sono não-reparador. O número de horas de sono pode não estar reduzido, mas a maioria dos insones sente fadiga, cansaço fácil, ardência nos olhos, irritabilidade, ansiedade, fobias, incapacidade de concentrar-se, dificuldades de atenção e memória, mal-estar e sonolência.

Narcolepsia

A narcolepsia caracteriza-se por sonolência muito intensa e incapacitante associada a cataplexia e outros fenômenos do sono REM tais como paralisia do sono e alucinações hipnagógicas. Felizmente, é uma doença rara que acomete uma pessoa em cada 10 mil. Cochilos diurnos recorrentes ou sono involuntário acontecem diariamente em qualquer situação. A cataplexia é uma perda súbita do tono dos músculos posturais desencadeada por uma emoção intensa como riso, raiva ou medo. A pessoa pode cair ou apenas se sentir fraca e necessitar se sentar. Paralisia do sono e alucinações hipnagógicas são sintomas assustadores, pois a pessoa começa a ter visões de sonhos quando ainda está consciente. Essa tendência a entrar em sono REM logo ao adormecer é o principal marcador diagnóstico da narcolepsia. Paradoxalmente, a pessoa pode se queixar de insônia e vários despertares à noite.

Síndrome das pernas inquietas

Distúrbio caracterizado por sensações desagradáveis nas pernas, usualmente antes do início do sono, que causa uma urgência quase irresistível de mover as pernas. A sensação desagradável nas pernas causa dificuldade de iniciar ou de reiniciar o sono. A sensação pode ser semelhante à de formigamento na pele e dentro dos músculos da perna, frequentemente associada a mal-estar ou dores difusas, generalizadas nas pernas, que pode acometer os braços. O desconforto é aliviado por movimento dos membros. A síndrome se deve a alterações na neurotransmissão da dopamina, carência de ferro e fatores genéticos. O tratamento com medicação dopaminérgica é extremamente eficaz.

Síndrome de sono insuficiente

Distúrbio que ocorre em quem persistentemente deixa de obter sono noturno suficiente para suportar a vigília em alerta normal. O indivíduo terá queixa de sonolência excessiva com cochilos involuntários e 'desligamentos'. Em crianças antes da puberdade poderá haver agitação e mau comportamento dificultando iniciar o sono. O período habitual de sono é mantido reduzido para idade, usando despertador para não dormir mais do que 5 horas, por exemplo. Pessoas voluntariamente privadas de sono por preparação para exames, campanhas políticas não devem ser classificadas nessa síndrome. A cura é dormir o número necessário de horas.

Terror no sono

É caracterizado por um despertar súbito de sono de ondas lentas com um grito ou choro, acompanhado por manifestações de medo intenso. Os episódios usualmente ocorrem dentro do primeiro terço da noite e acontece amnésia total ou parcial dos eventos durante os episódios.

Pesadelos

São sonhos assustadores que usualmente interrompem o sono subitamente por um medo intenso, ansiedade e sentimentos de perigo iminente. A pessoa tem lembrança imediata do contexto assustador do sonho e está completamente alerta logo após o despertar, com pouca confusão ou desorientação. O retorno ao sono, após o episódio, é retardado e não rápido como no terror no sono. Os pesadelos acontecem mais durante a segunda metade do período de sono. O sonho em geral é longo e o medo crescente. A longa narrativa permite diferenciar facilmente pesadelos de terror no sono.

Síndrome de mudança rápida de fuso horário (”jet-lag”)

Consiste de graus variados de dificuldade de iniciar e manter o sono, sonolência excessiva, reduções no alerta diurno e desempenho e sintomas somáticos – mais relacionados com a função gastrointestinal – em seguida a mudanças bruscas de vários fusos horários em viagens. Os sintomas começam um ou dois dias após uma viagem aérea através de, pelo menos, dois fusos horários. A gravidade dos sintomas varia com o número de fusos horários cruzados, a direção da viagem, o horário de partida e chegada e a susceptibilidade individual.